Número total de visualizações de página

9 de outubro de 2013

Almossassa



[V]indo […] a Medóbriga um mouro de África e vendo ali certa senhora portuguesa muito fermosa, se enamorou dela, e cometendo tratar casamento, ela lhe respondeu que, se ele levantasse ũa fortaleza no alto daquelas rochas que pareciam, se casaria com ele, parecendo-lhe cousa impossível. O mouro, vendo-se tam preso da sua galhardia e fermosura, prometeu de a fazer dentro de ũa noite. E quando ao outro dia amanheceu, as torres da fortaleza estavam parecendo. A senhora, vendo-se convencida e obrigada pela palavra, se deitou de ũa varanda abaixo e se matou, por não se ver casada com um mouro.

Já na sua oitava edição, a "Al Mossassa" é a festa que une o município português de Marvão e a espanhola cidade de Badajoz, para evocar o guerreiro Ibn-Marúan, fundador das duas localidades.
Foi no passado fim de semana e Marvão recuou no tempo até ao séc. IX, com música, teatro de rua, dança do ventre, workshops e o  “Mercado das 3 Culturas”. Com o seu centro histórico a fazer de palco principal de toda esta actividade reconstituiu-se o ambiente das vendas dessa época e deslumbrou-se o visitante com cores e aromas num espaço aberto à imaginação e à história.
Alguns momentos...









































P.S.: Continuo a não conseguir escolher poucas fotos...



Entre Espanha, encontramos a tranquila vila de Marvão, no ponto mais alto da Serra de São Mamede.
Geograficamente, Marvão é um ponto de defesa estratégico natural, marcado por encostas muito íngremes a Norte, Sul e Oeste, e com acesso a pé apenas pelo lado Este, para onde se desenvolveu a povoação.

Nestes dias realiza-se o festival islâmico onde a parte alta da Vila se transforma numa deslumbrante máquina do tempo que nos transporta para o século IX, para os tempos da sua fundação, homenageando o seu rebelde fundador Ibn Maruan, figura ímpar e visionária que mesmo a tantos séculos de distância consegue unir o que as fronteiras e história separaram.
 O “Mercado das 3 Culturas”, palco principal de toda esta actividade, reconstitui a ambiência das vendas dessa época e deslumbra como um espaço aberto à imaginação e à história. Para além de estar repleto de fabulosas recriações e animações que interagem com os visitantes. - See more at: http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:l7UENzqRP_IJ:www.absolutportugal.pt/alentejo/produtos/festival-islamico-al-mossassa--em-marvao--4--5-e-6-de-outubro_1907+&cd=8&hl=pt-PT&ct=clnk&gl=pt&client=firefox-a#sthash.dPfyVHIN.dpuf
Entre Espanha, encontramos a tranquila vila de Marvão, no ponto mais alto da Serra de São Mamede.
Geograficamente, Marvão é um ponto de defesa estratégico natural, marcado por encostas muito íngremes a Norte, Sul e Oeste, e com acesso a pé apenas pelo lado Este, para onde se desenvolveu a povoação.

Nestes dias realiza-se o festival islâmico onde a parte alta da Vila se transforma numa deslumbrante máquina do tempo que nos transporta para o século IX, para os tempos da sua fundação, homenageando o seu rebelde fundador Ibn Maruan, figura ímpar e visionária que mesmo a tantos séculos de distância consegue unir o que as fronteiras e história separaram.
 O “Mercado das 3 Culturas”, palco principal de toda esta actividade, reconstitui a ambiência das vendas dessa época e deslumbra como um espaço aberto à imaginação e à história. Para além de estar repleto de fabulosas recriações e animações que interagem com os visitantes. - See more at: http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:l7UENzqRP_IJ:www.absolutportugal.pt/alentejo/produtos/festival-islamico-al-mossassa--em-marvao--4--5-e-6-de-outubro_1907+&cd=8&hl=pt-PT&ct=clnk&gl=pt&client=firefox-a#sthash.dPfyVHIN.dpuf
Entre Espanha, encontramos a tranquila vila de Marvão, no ponto mais alto da Serra de São Mamede.
Geograficamente, Marvão é um ponto de defesa estratégico natural, marcado por encostas muito íngremes a Norte, Sul e Oeste, e com acesso a pé apenas pelo lado Este, para onde se desenvolveu a povoação.

Nestes dias realiza-se o festival islâmico onde a parte alta da Vila se transforma numa deslumbrante máquina do tempo que nos transporta para o século IX, para os tempos da sua fundação, homenageando o seu rebelde fundador Ibn Maruan, figura ímpar e visionária que mesmo a tantos séculos de distância consegue unir o que as fronteiras e história separaram.
 O “Mercado das 3 Culturas”, palco principal de toda esta actividade, reconstitui a ambiência das vendas dessa época e deslumbra como um espaço aberto à imaginação e à história. Para além de estar repleto de fabulosas recriações e animações que interagem com os visitantes. - See more at: http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:l7UENzqRP_IJ:www.absolutportugal.pt/alentejo/produtos/festival-islamico-al-mossassa--em-marvao--4--5-e-6-de-outubro_1907+&cd=8&hl=pt-PT&ct=clnk&gl=pt&client=firefox-a#sthash.dPfyVHIN.dpuf

2 de outubro de 2013

ScooterPT Camping - Take 7

Com o sussurro grave da Heinkel a fazer coro com o ronco abafado da Lambretta, os Km's sucediam-se em instantes de puro prazer, mesmo que a exigirem atenção redobrada pelo estado da estrada.
Sabes que está a chover muito, quando apesar do casaco forte e do impermeável, as gotas de água picam-te os braços como se de agulhas se tratassem. Sabes que está a chover muito quando a água chega ao estrado da Heinkel como se estivesses a atravessar uma ribeira.
A viagem para o Tamanco estava para ser feita a solo, mas graças ao Paulo Salgado, a Heinkel partilhou a estrada com a elegante Lambretta SX200 e eu ganhei a imagem do Paulo no retrovisor.
Já tardava a oportunidade de apreciar a estrada na tua companhia.
Mesmo com a meteorologia a exigir um esforço redobrado da nossa parte, o conhecimento que temos das nossas máquinas e os Km's de estrada já vividos, permitiam-nos viajar em perfeita simbiose.
Obrigado.
Chegados ao Camping abençoamos a inédita escolha dos Bungalows. Dificilmente as tendas suportariam o caudal da chuva que se prolongaria intermitentemente por todo o fim de semana. Adicionalmente proporcionavam um bom local para as conversas noite fora, na companhia de amigos e de uma boa bebida.
Mais reduzido em número de participantes, o fim de semana compensou em actividades.
Refeições em restaurantes, conversas com locais, um ou outro copo em espaços interessantes e claro a passeata com curvas giras a desafiar o amigo numa qualquer estrada retorcida.
O Bungalow ainda albergou na sala um ou outro campista, que desistiu de testar a impermeabilidade da sua tenda a estrear e uma visita ao parque mostrou-nos mais algumas possibilidades diferentes de alojamento, talvez a considerar para futuras estadias.
Gente estreante nestas lides como o Nuno ou o Canha não deixaram os seus créditos por mãos alheias e mesmo de Honda Today, o Luca nunca se atrasava demais.
As famílias Marrazes e Totti nem por causa dos "Nenucos" ficaram em casa. Parabéns a eles e a elas.
No regresso, a três, o autocolante na lateral da Lambretta do Canha lembrou-me os momentos do Lés a Lés deste ano, sobre os quais ainda não escrevi!
A escala em Aveiro foi justificação para uma magnífica refeição a cargo dele, numa esplanada sobranceira à Ria, onde navega ainda um moliceiro do Bruno Canha. Não o experimentamos, mas ficará para uma próxima.
A partir daí éramos de novo eu, o Paulo e a chuva.
Até ao Porto onde fiquei, o ritmo foi rápido e regular, com a Lambretta a provar que afinal consegue quebrar a barreira dos 100Km's sem reabastecer.
Obrigado a todos por estes bons momentos. Gostava que o próximo fosse já agora, mas a espera também apura os sentidos.