Número total de visualizações de página

31 de dezembro de 2010

LML Packard

A presença das LML já não é para nós, pessoas do meio, nenhuma surpresa.
Mas agora já as começamos a ver expostas em tamanho gigante, como neste "Outdoor" á saída do Porto:



Claro que o fotógrafo não terá pensado que se trata de uma Vespa. Nem de uma Vespa modelo LML, pois não?

30 de dezembro de 2010

Heinkel Classy Camping

Já desde há muitos anos que scooters e campismo combinam.
Pela liberdade, pela simplicidade e porque sim.
Delicio-me com fotos antigas e se forem com Heinkel's ainda mais.
Reparem neste grupo de entusiastas das corridas em visita ao Lago de Lucerna, de Heinkel.
Já viram o pormenor da mala com o logotipo Heinkel?
Fantástico

8 de dezembro de 2010

Ban-Dansity

BAN, DANSITY - O novo álbum dos BAN, DANSITY, reúne 12 novos temas originais do grupo (mais um bónus track), que resultam de um longo período de trabalho que se iniciou em 2004, com a reunião de 4 elementos do grupo (João Loureiro, João Pedro Ferraz, Paulo Faro e Rui Fernandes), aos quais se juntou, alguns meses depois, Mariana Matos, novo e mais jovem elemento escolhido porque, entre outros motivos, e sendo os BAN um projecto com uma voz masculina e outra feminina, tinha o timbre de voz considerado mais adequado aos primeiros novos temas entretanto já compostos. Quando, em 2004, os BAN se reuniram novamente, não havia um projecto definido, apenas a vontade de, sem comprometimento, voltar à sala de ensaios, dada a vontade de tocar e criar, e porque, como amigos de sempre, sentiam necessidade de o fazer em conjunto. No entanto, logo após os primeiros ensaios, começaram a constatar a qualidade do material produzido, colocando então a hipótese de o vir a gravar, sem prazo definido, quando sentissem que fosse o momento certo. Todo o trabalho de composição e pré-produção se foi desenvolvendo dessa forma até 2008, com períodos mais intensos e períodos de intervalo, numa sala de ensaios no estúdio Quinta da Música, em Grijó, perto do Porto, onde João Pedro Ferraz é produtor e engenheiro de som, tendo durante uns meses decorrido também na sala de ensaios de Rui Fernandes, em Leça da Palmeira. Durante todo este período foram compostos e gravados em maquete dezenas de novos temas do grupo. Já em 2009, iniciaram-se as gravações do novo CD, tendo sido gravados 18 temas, e a escolha final recaído nos temas que compõem Dansity, misturados entre Junho e Setembro de 2010, tudo no estúdio Quinta da Música, com produção de João Loureiro e João Pedro Ferraz, tendo a masterização sido feita em Inglaterra, em Outubro último. O resultado foi um cd que, embora com as habituais características rítmicas, melódicas e harmónicas dos BAN, representa um álbum completamente virado para o futuro, intenso e arrojado, cantado em inglês,e com duas linhas condutoras essenciais: uma componente mais pop, directa e dançável, e outra mais ambiental, experimental e densa. Daí o nome DANSITY (mais uma vez uma palavra inexistente no dicionário, como no passado Surrealizar, Desnexos, ou outras) um jogo entre as palavras Dance e Density, onde os BAN regressam surpreendentemente actuais e com muito sentido de criatividade e risco, como aliás sempre tinham feito no passado, nos álbuns anteriores. As referências e influências são bastante diversificadas, no conteúdo e temporalmente, e vão desde a música electrónica à pop pura, passando pela soul, funk, disco, trip-hop, ambient-lounge e outras, com profundo sentido rítmico, guitarras fortes, teclados digitais, analógicos e clássicos, cordas e sopros, e utilização criativa de diversos timbres, efeitos e soluções vocais. As letras, apesar de escritas em inglês (uma nova experiência no percurso do grupo), mantêm as características mais marcantes anteriores, com utilização preferencial de uma linguagem minimal, imagética, por vezes cinemática e no plano do imaginário, e com temas desde o mais lúdicos e quase pueris ( num filme sempre pop...) aos mais dramáticos, com grande abstracção e sem recurso (pelo menos evidente) a histórias ou situações concretas. Assim, o CD começa no extremo mais pop e rápido, com MOD GIRLS (daí constituir o primeiro single, embora um tema algo incomum, com refrão instrumental) e acaba no extremo mais denso e ambiental, sendo o conceito do alinhamento que o cd seja ouvido seguido, conforme a ordem definida, de forma a ir fluindo sem cortes abruptos, mas acabando com um som muito distinto do inicial, mais lento e denso, com YOUR LIFE (e a minimal mas densíssima PIANO SONG como Bonus Track), passando por diversos ambientes ao longo da audição, com uma linha condutora subtil mas sempre definida, e vários potenciais singles, como FUNK IT, DEVIL SHAKE, ANGEL ou COOL AND CRUEL. Finalmente, é importante referir que o conceito de DANSITY passa pelo facto de o cd não dever ser visto como o único, mas sim como o objecto principal e central de um projecto mais vasto, a descobrir durante os próximos meses, não só através do usual lançamento de promo singles, mas também com uma forte componente visual (vídeos, outros), dançável (remisturas de vários temas, por diversos dj's) e digital (recurso a novas tecnologias e à internet), ou seja, há o objectivo de interagir com outras áreas e agentes criativos estéticamente compatíveis, conforme plano estabelecido que irá sendo divulgado à medida que for acontecendo, mas já com várias componentes em desenvolvimento. Última referência para a vontade de, a partir do início do próximo ano, e sobretudo através das novas tecnologias, por via de contactos promissores já existentes, os BAN, através da nova e independente editora MAN-U-FACTOR, pretenderem internacionalizar o mais possível este seu novo e magnífico DANSITY.


Apresentação Álbum - Dansity
Sexta-Feira 6:00pm
Margem Tejo
Doca do Bom Sucesso (ao lado do Altis Belém)
Lisboa, Portugal

Todo o conteúdo retirado e propriedade de:
http://www.ban-dansity.com/
http://www.man-u-factor.com/
http://www.facebook.com/pages/BAN/169921136363023

4 de dezembro de 2010

Moscas da Figueira V.3

Está quase a chegar a mini passeata de Inverno que o pessoal do ScooterPT & Friends gosta de fazer. Já se chamou Almoço de Natal, Tacho da Figueira, Bora aos Caritos e outros nomes como as Moscas da Figueira, talvez por causa de uns episódios giros com a minha T5.
Explicados na Horta das Vespas, e no ScooterPT e desenhados pelo Coriscada assim:


Hugo (NEXX) Boss

De acordo com o site da Nexx, esta assinou um contrato de licença de dois anos com a marca HUGO BOSS Management para a concepção, produção e distribuição mundial do primeiro capacete de motociclismo sob a marca HUGO BOSS. Este será um capacete certificado pelo IBSR (Bruxelas) de acordo as com normas europeias de segurança (ECE 22-05) e estará disponível através das lojas HUGO BOSS e rede de distribuição da NexxPro a partir de Dezembro.
 Fotos de  Nex Helmets

Ainda no campo das novidades, o novo XR1R Carbon.
Ainda mais leve 163 gramas e com novas decorações.
Vejam a opinião da Webbikeworld:












Ou a review completa aqui
Mas esta empresa Portuguesa continua a surpreender-nos pela dinâmica com que se apresenta ao publico estando já presente no incontornável Facebook, onde soube da utilização de um Nexx X30 neste video,
Dwyane Wade in Dominate Another Day:

EICMA2010 e a Scuderia Serenissima I

Olha lá. Que fazes em Novembro? (era Setembro)
Começou mais ou menos assim o mail do Vasco a desafiar-me para uma passeata até Milão com um bom pretexto por trás: Visitar a reputadíssima EICMA, uma das maiores feiras mundiais de duas rodas. Não é fácil assumir assim um compromisso a longa distância, mas com a simbiose que temos tido em viagens, a voar baixinho mas em duas rodas, não podia perder a oportunidade. Aceitei, claro e lá começaram os preparativos. O Vasco tratou logo das passagens de avião, low-cost como convém nos dias que vivemos e começou a procura por alojamento. Nunca tinha viajado de avião por menos de uma nota de cem mas fiquei agradavelmente surpreso. Este tipo de viagens tem particularidades que têm de ser respeitadas, é verdade, como por exemplo o limite do tamanho da bagagem, o que me obrigou a uma procura intensa por uma mala que respeitasse a volumetria exigida. Constou-me que são totalmente intransigentes neste aspecto e surpreendeu-me o facto de a oferta comercial destas bagagens de mão ser escassa. Lá consegui resolver o assunto com uma mala emprestada por uma amiga que usa bastante estes voos. Alojamento foi a próxima etapa e uma busca na net e uns telefonemas para uns amigos encaminhou-nos para um certo Hostel e lá fizemos a reserva. Mas este assunto ainda ia ter próximos episódios...
Passamos então a tratar de arranjar veículo para nos deslocarmos em Milano. A intenção de alugar duas Scooters ruiu rapidamente, quando constatamos que lá quase não existe quem alugue estes veículos!! E os que o fazem pedem preços exorbitantes, mais taxa para entregar e levantar no aeroporto, mas taxa por ser domingo, mais taxa para capacete, mais... de tal forma que iríamos acabar por pagar pelas Scooters quase tanto como para alugar um Porsche! Para rematar quando confrontamos a empresa com este facto, ainda tiveram a lata de nos desejar um bom passeio com o Porsche. Lamentável. Ainda mais quando no nosso pequeno país à beira mar plantado, do qual tendemos a ser tão críticos, é fácil e barato este tipo de aluguer como já relatei aqui.
Lá acabamos por reservar um carro, dos mais baratinhos, já agora.
Comboio até Lisboa (que me custou mais que o avião para Milão) onde me encontrei com o Vasco e siga para Milão. O voo saiu à hora e aparte o facto de não existirem lugares marcado no avião, não notei diferenças significativas neste tipo de voo. Basicamente é como uma viagem de camioneta, mas que voava. O pessoal de bordo é prestável, as hospedeiras giras, paga-se para comer ou beber e até lotaria é vendida a bordo. Agradou-me o conceito. Não me agradaram as olheiras do pilto. Enfim.
Na chegada ao aeroporto de Malpensa, dentro do horário, já nos esperava o carro reservado que acabou por ser um Alfa-Romeu Mito Diesel, arrastadeira mode (depois explicamos), estacionado a poucos metros do terminal. Um luxo.

Rapidamente compreendemos a utilidade de um GPS em terras estranhas, sendo que chegamos ao Hotel sem percalços. Hotel que é como quem diz...
O Ostelo AIG Piero Rota é uma imitação fraca das nossas Pousadas da Juventude mas a preços de um verdadeiro hotel. Com uma localização central, local para estacionar e com um aspecto aprazível, até parecia uma boa escolha, mas...
Lá entramos e aguardamos a nossa vez na recepção, igual à bilheteira de uma central de camionagem de província, azulejos de casa de banho nas paredes incluídos, atrás de uma chinesa mais pequena que a mala que transportava mas com atributos que lhe permitiam captar os olhares mais distraídos e de um individuo de sexualidade indistinta e originário não sei de onde, o que nos permitiu ter tempo para olhar em volta. As nossas suspeitas aumentavam. Na parede do "guichet" em vez das chaves dos quartos víamos aluquetes! Sim, aluquetes! Ao fundo a sala de convívio era tal e qual um café dos antigos, com mesas e cadeiras de fórmica e televisor pendurado. Hum mm. Os clientes à nossa frente eram aviados com um aluquete e lençóis num saco de plástico e chegava a nossa vez. Atendidos por um solícito italiano com cerca de 285Kg e uns 2,35m, lá explicamos que tínhamos uma reserva para um quarto duplo !com toalhas!
Concerteza e após pagarmos lá nos deu as chaves do quarto. Não um aluquete, mas sim chaves, explicando que uma era da entrada do estabelecimento, outra do quarto e outra da... casa de banho! Como!? Da casa de banho?! Mau! Lá procuramos o quarto. De passagem vislumbramos uma casa de banho (comum?) onde preferimos não olhar segunda vez. Se dúvidas ainda houvesse a falta de qualidade do quarto foi a gota de água. Três camas de ferro com lençóis e cobertores velhos e surrados, um armário que eram apenas prateleiras sem porta, um suporte de televisor sem televisor, cortinados do mesmo tecido das cobertas, nada de ar condicionado e fazia frio.

Casa de banho, nada! Encontramos a "nossa" casa de banho no outro lado do corredor, sendo que se tratava das instalações sanitárias dos deficientes. Um cubículo de 6 m2 onde se concentravam, jurava eu que no mesmo local físico, a sanita, o bidé e o chuveiro. Só o chuveiro em si. Uma mangueira na parede a atirar água para o chão. De passagem percebemos os aluquetes ao vermos um outro hóspede a abrir um cacifo enorme para onde atirava os seus conspurcados haveres. As paredes do corredor estavam cobertas deles e os outros quartos eram afinal camaratas onde se misturavam odores, raças e sexos.Se quiseres vamos para outro lado, mas já é um bocado tarde para arranjar hotel, não achas?Até achava, mas não o suficiente para conseguir perceber as vantagens de dormir ali em vez de dormir no carro. Saímos e até chegar ao Mito (arrastadeira mode, depois explicamos:)) continuei a abusar da paciência do Vasco, já quase conformado com a falta de condições e disse-lhe que não queria ficar ali.Ok, vamos embora, respondeu-me a rir. A capacidade deste meu companheiro de viagens em alinhar com as minhas sugestões e as minhas irresponsabilidades não cessa de me surpreender. Gracie, amigo.

E agora? Vamos procurar na net com o telefone. Pois sim. Pode ser muito bonito para redes sociais e outras tretas do género, mas tentem lá net a sério num telefone com 4 anos.
Vamos telefonar para as nossas marias e depois de as deixarmos gozar com a nossa situação uns vinte minutos elas vão ajudar-nos por certo. E ajudaram! E gozaram, muito e por muito tempo.
Mas a verdade é que rapidamente tínhamos o recepcionista do Ibis Milano á nossa espera. Ficou provado que atrás de um grande homem está uma grande mulher. Obrigado Graça, Obrigado Rita.
Dali ao Hotel foram 5 minutos, mais uma vez graças ao GPS e num ápice estávamos convenientemente instalados e prontos para ir jantar.
 
Eram duas da manhã mas acho que por vezes atraímos a sorte. Não tínhamos andado mais de três quarteirões, quando nos surge uma verdadeira Trattoria Italiana, aberta e com aspecto acolhedor, cheia de scooters á porta, onde nos serviram as melhores pizzas que já provei. O ambiente era totalmente latino e nem apetecia sair. Mas eram três e meia e amanhã havia feira.
O acordar foi cedo:
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Até amanhã... ou depois.

30 de novembro de 2010

EICMA 2010 e a Piaggio

A Piaggio esteve obviamente presente com um stand algo tradicional, para não dizer amorfo, onde não consegui deixar de sentir algo do tipo "eu já sou muito bom, não preciso de mostrar mais nada".
Mesmo assim era um espaço bonito de se ver, com até um cantinho "retro", presenteando os visitantes com algumas novidades, apesar de nem sempre novas, como o lançamento, pós última-edição, da nova... PX!


Suspeito que o cavalheiro lá ao fundo me andava a seguir

Com o estilo inconfundível das linhas da série P a marcarem o regresso ao passado e as motorizações de 125 e 150 cc com catalisador e ignição electrónica a permitirem cumprir a norma Euro 3, esta P num magnifico azul ocupava lugar de destaque no stand, quase nos fazendo esquecer que estava lá outra no tradicional vermelho.


Mas nem só de PX's se fazia o stand.
Em grande destaque estavam também as novas MP3 que incluíam uma oferta híbrida (até que enfim), as S e para os amantes de modas, a 300 em... mate :(





Ups. Wrong picture:~


Foto de Vasco: respiroscooter.blogspot.com
Já tinha visto estas máquinas em mate no Vespa World Days em Fátima e não acho nem feia nem bonita, agora recomendar é que não recomendo. A pintura estava já toda marcada das mãos (e talvez pés dos visitantes) e nem ainda estrada tinha visto.



A rematar, uma bomba mata-velhos (estou a falar do micro-carro, ok?), bem bonita e a mostrar-nos uma parte do futuro da mobilidade urbana.


.
.
.
.
.
Eu não digo?





19 de novembro de 2010

EICMA 2010 e a BMW Concept C



Até á pouco a BMW era para mim um pouco sinónimo de touratech, show-off, qualidade a preço exagerado ou brinquedo na garagem. Com o tempo tenho progressivamente revisto esta posição. Primeiro experimentando algumas GS, aquele modelo idolatrado pelos motociclistas e até pelos motoqueiros e agora de repente, sem aviso, a BMW atira-me para os olhos uma scooter!!
Bolas. Isto assim não devia ser permitido. É verdade que não é o primeiro protótipo de Scooter que a BMW cria, mas disso falarei noutra oportunidade, mas a perspectiva de existir uma Maxi-Scooter BMW, capta a minha atenção. Não creio ansiar pelo dia em que me poderei pavonear pela cidade numa qualquer coisa parecida com esta "C", mas a ideia de poder vir a existir uma gama de alta qualidade de scooters desta reconhecida marca, agrada-me. No salão de Milão a BMW apresentou um protótipo daquilo que poderá ser a sua Maxi-Scooter. De nome Concept C e a ser apresentada no próximos anos. Com um novo motor de dois cilindros, cilindrada ainda desconhecida e transmissão por cardan, o que mais releva é o design inspirado noutra motas da marca como talvez nas laterais em aluminio da GS ou nas "asas" da S1000RR na frente, marcando sempre uma forte diferença com as Maxi já conhecidas no mercado.
A intenção parece ser de produzir dois modelos de uma mesma gama e um terceiro com motor eléctrico.
É anunciada como sendo uma máquina que combinará a dinâmica de uma mota com a versatilidade de uma scooter. Como é típico em protótipos, alguns pomenores estarão lá apenas para captar a atenção do público, como este modelo tão bem fez, falo das camaras de video em vez de retrovisores, os discos de travão enormes ou os pneus azuis.
Acho que condiz bem com o capacete X30 na Nexx :)

16 de novembro de 2010

EICMA 2010 e a Polini

Além dos stands dos fabricantes de motos, havia muitos outros de peças, acessórios e derivados espalhados por todos os pavilhões da feira.
Sem nenhuma escolha intencional, entramos num pavilhão e o primeiro expositor que vimos foi a Polini. Mundialmente conhecida pelos kit's de potência que fabrica para os mais diversos tipos de motores. Só ali mesmo na entrada conseguimos encher metade dos cartões de memória. Porquê?








15 de novembro de 2010

EICMA 2010 e a LML

A EICMA é reconhecidamente uma das maiores feiras mundiais do sector, se não a maior, habitualmente visitada por milhares de amantes das duas rodas e de profissionais do sector. Daí a presença massiva dos fabricantes com uma forte aposta aposta na imagem, respondida pelo interesse inquestionável do público que enchia os gigantescos pavilhões da feira.

Houve imenso para ver e também o há para contar e a minha vontade inicial até era mostrar-vos as fotos todas e deixar-vos fazer a escolha.

Mas afinal não. Prefiro dividir em “capítulos” tentando mostrar-vos o que mais me impressionou em cada área ou marca.

Assim tenho indiscutivelmente de começar pela… LML. Surpresos?

LML porquê?


Simples, no mundo das scooters clássicas/contemporâneas a LML tem sabido como ninguém escutar o mercado e progressivamente corrigir alguns pontos menos bons ao mesmo tempo que tenta ajustar a sua gama de produtos aos pedidos do mercado.
Senão vejamos:
Dotada de um espaço generoso e dinâmico, pontuado por cor, musica e novidades, a LML destacou neste salão as novas Star i 125, 150 e 200, as séries limitadas Mat Series, Star RS, Star GT, Bicolor Vintage, Star Art e Star Corsa, uma nova gama Star a 4T sem injecção, um restyling das 2T e ainda um protótipo Star Electric, prevendo já este novo mercado.



Aqui em relação aos Mat uma pequena consideração. Sei que é moda e moda é mesmo assim, mas todas as pinturas mat que vi, tanto da LML como de outras, estavam sempre sujas e marcadas com "dedadas" parecendo ainda muito sujeitas a riscos. Apesar de até gostar da verde que está acima, não me parece que uma pintura destas seja fácil de manter.

Esta 200 a 4T é efectivamente o futuro e um futuro próximo. Será concerteza uma bomba e ainda por cima económica. Não sei se vem com o acessório em cima do banco, mas gostava de saber.


Confesso que foram as que menos gostei. Bicolor até pode ser um conceito giro, mas estas combinações não me agradaram

Gosto. Com a condutora certa e tirando as estrelas.


Duas bombas numa. Uma preta e outra azul. Fiquei indeciso em qual centrar a minha atenção. Receio ter de admitir que estou quase a gostar de tunings. A potência, o conforto...

Star Electric:
Pena que este protótipo não fosse mais que uma LML a combustão a que trocaram o motor, não existindo sequer um painel de instrumentos adequado ao sistema ou qualquer aligeiramento da estrutura com vista a diminuir o peso e até porque sem o pesado motor de combustão existem áreas que não precisam ser tão fortes.

O interruptor de Liga/Desliga e a tomada de carga estão perto do local da torneira da gasolina e o buraco desta está (mal) tapado com massa. As prestações são fraquíssimas.

10 de novembro de 2010

EICMA Milano ainda em Jet-Lag


Lotteria, Lotteria apregoava para meu espanto a bonita Diana, hospedeira de bordo da Easyjet, enquanto voavamos a 11.000 m de altura e a 994 Km/h a caminho de Milão, a pretexto da Feira EICMA 2010. Não imaginava ainda é que iria ter o privilégio de ser sucessivamente deslumbrado pela qualidade e variedade dos stands presentes num recinto que de tão grande obrigava a usar tapetes rolantes para nos deslocarmos entre mais do que um pavilhão. Realmente a fama é merecida e sentimo-nos de tal modo envolvidos pelo mundo das duas rodas que o dia passa num ápice. Tal é a dimensão que a meio da tarde percebemos que teríamos de seleccionar o que ainda queríamos ver. Um dia não era suficiente.

Entre motas e scooters, novidades e remakes, espectáculos musicais e modelos giríssimas, eléctricas e híbridas, tudo o que se fala no mundo das duas rodas estava á nossa frente. Podíamos ver, tocar, fotografar. As tendências, os protótipos, as novidades que normalmente apenas conhecemos de revistas, reportagens ou fotografias sentiam-se agora bem reais.




Mas o fim de semana foi muito mais.
Milão é uma cidade fantástica onde fácilmente me habituaria a viver. Não dorme. Tem uma vida nocturna semelhante ao nosso bairro alto ou ao nosso piolho multiplicada por vinte.
Á medida que for conseguindo algum tempo, vou tentando mostrar-vos algumas fotos e situações entre o manacial vivido. Mas para já ficam estas 3 ou 4 á laia de aperitivo.
Como cereja no topo do bolo, a simbiose que eu e o Vasco costumamos ter em viajem funcionou até sem motas o que nos permitiu algumas aventuras um pouco mais arriscadas e um aproveitamento do tempo ao limite.
Prego Vasco.

8 de novembro de 2010

BAN, MOD GIRLS, Official Video

Cá está o resultado final das gravações onde a Heinkel e a T5 participaram.

Deixando de lado as considerações do que é Mod ou não, até gosto. Prefiro no entanto considerar esta inspiração como Mod Moderno

Os parabéns não só para os actores mas também para a produtora.



4 de novembro de 2010

EICMA Milano e a RePX

Parto amanhã para Milão na companhia do Vasco numa passeata de fim de semana que culminará com uma visita à feira E.I.C.M.A. para espreitarmos as ultimas novidades do mundo motociclístico.

Estou com vontade de olhar de perto o fruto do relançamento da Vespa PX, a RePX:


Mas também terei olhos para as outras, claro:


Consta que existe inclusive um protótipo duma solução "tailor made" para o novo movimento que em Portugal começa a atingir já proporções significativas, o Scooterismo Jagunço. É nada mais nada menos que uma fantástica MaxiScooter BMW que irá debelar a preocupação em manter um equilibrio precário em cima de uma trail GS1200XXXX cheia de malas de aluminio no meio do trânsito em hora de ponta, apesar do auxilio do sapato de tacão alto que mandaram fazer de propósito, conseguindo assim mostrar a sua preferência pela marca Bávara:
Não, não tem retrovisores, mas depois digo-vos o que tem.
Até à semana